quarta-feira, 27 de março de 2013

Dica: O Swing e o Cuckold

Muitas pessoas confundem swing com cuckold. Na realidade, a uma certa distância, até podem parecer estilos de vida semelhantes, mas o problema da distância é que retira detalhes e pormenores importantes ao que observamos. Visto de perto, o swing, a única coisa que tem em comum com o cuckold, é o envolvimento de elementos exteriores ao casal na actividade sexual e o sexo grupal.

Enquanto que as semelhanças se ficam por aqui, as diferenças multiplicam-se, senão veja...
No Swing ambos os elementos do casal partilham o poder e a autoridade equitativamente. Não existe uma supremacia de um em relação ao outro. O mesmo não acontece no cuckold, onde impera uma relação matriarcal com a mulher a reinar e a definir as regras da relação unilateralmente.

Outra grande diferença é que no swing não existe dominação nem tão pouco qualquer tipo de humilhação! Já no cuckold existe uma mulher dominadora e um marido masoquista e submisso. Logo o cuckold em oposição ao swing implica dominação, subjugação e humilhação.

O acto sexual no swing visa a satisfação directa de todos os elementos envolvidos, enquanto que no cuckold visa apenas a satisfação sexual da mulher e do amante. O marido aparece como um elemento secundário cuja satisfação é obtida indirectamente a partir da humilhação que lhe é imposta.

No swing não existe o elemento "corno", a esposa não pode simplesmente fazer o que deseja nem deixar-se guiar por impulsos, tem que seguir não só as regras definidas no swing como as regras previamente combinadas com o seu parceiro. Já no cuckold não existem regras pré-estabelecidas nem combinações, a mulher é livre de fazer o que quer, de dar asas aos seus desejos, de seguir impulsos, sem ter que se preocupar com a opinião e parecer do parceiro.

Assim, o papel da mulher em cada um dos dois estilos de vida é completamente diferente. No cuckold tem liberdade e autoridade ilimitada enquanto que no swing possui uma liberdade condicionada e uma autoridade partilhada.

É muito raro uma relação cuckold envolver dois casais, tal ocorre apenas quando um casal dominador se junta à esposa ou quando duas esposas se juntam para uma sessão de dominação com os seus maridos cuckold. Já no swing a presença de dois casais é considerado comum ou normal, swing significa troca de casais. Muito raras vezes um casal swing aceita um homem sozinho o que no cuckold é algo normal.


O swing é também um estílo de vida mais social, há uma aproximação a vários níveis dos casais envolvidos. São criadas relações de amizade e cumplicidade. Há uma partilha de interesses entre casais e uma ligação que vai mais além da intimidade do quarto. Talvez por isso as comunidades e clubes swing são mais frequentes que as comunidades cuckold.


No entanto é no swing que muitos casais encontram a sua verdadeira vocação para o cuckold. Ao experimentar este estilo de vida acabam por descobrir o que realmente lhes desperta a libido. Sentimentos e sensações diferentes das experimentadas pelos swingers, começam a emergir e a destacar-se. O marido começa a sentir-se mais excitado em ver a esposa com outro homem do que em estar com outra mulher. Já a mulher sente mais prazer em provocar o marido, que a observa impotente, que o acto sexual em si. Com o tempo iniciam um jogo secreto que decorre em paralelo com o swing. Neste ponto ambos os elementos do casal têm plena consciência do que os excita e servem-se do swing como pretexto para explorar este novo mundo.

Daqui até surgir a sugestão para a presença de um homem sozinho em alternativa a um casal é um pequeno passo. A estrutura do estilo de vida cuckold começa a ganhar forma sendo o swing é lentamente substituído por este novo conceito.

Com isto não quero dizer que o swing seja um estilo de vida de transição, secundário e pouco estimulante. Muito pelo contrário. Qualquer swinger lhe dirá que é um estilo de vida saudável, excitante, interessante,  criativo e viciante! É uma excelente forma de temperar a vida, de lhe dar cor, diversidade. É do conhecimento comum que rotina do casamento lhe é irremediavelmente fatal, o swing surge assim como um antídoto eficaz no combate à rotina e acomodação.

Na realidade os casais que trocam o swing pelo cuckold não são mais do que os que trocam o cuckold pelo swing. O importante é seguir a natureza de cada um. Quantos mais estilos de vida existirem mais facilmente encontramos aquele com que nos identificamos a 100%, que satisfaz os nossos desejos e expectativas e nos permite ser felizes.


Muitos casais optam mesmo por misturar o cuckold e o swing criando um cocktail especial sem nome definido. Este novo estilo de vida é normalmente praticado por casais que querem partilhar o poder e a autoridade retirando da equação o totalitarismo feminino. Com isso retiram a dominação e a humilhação da equação mantendo apenas o ciume controlado e excitante. A mulher serve-se de alguma malícia jocosa para "picar" e provocar o marido de natureza masoquista, mas sem nunca o subjugar e humilhar directamente. O cerne deste comportamento continua a ser a realização sexual através da infidelidade mas sem a agressividade e o domínio presente no cuckold. No cucking, chamemos-lhe assim, homem e mulher organizam e decidem cada momento, ambos tratam dos preparativos e ambos escolhem os parceiros. Tal como no swing tudo é feito a dois. Para que algo aconteça ambos os elementos têm que concordar e aceitar.


Alguma da confusão que existe na identificação dos limites do cuckold e do swing estão exactamente nesta mistura cada vez mais frequente entre os dois. Já por diversas vezes ouvi chamar cuckold ao swing e swing ao cuckold, para muitos os dois estilos de vida significam exactamente a mesma coisa, ou significavam... espero que estas linhas o tenham ajudado a compreender melhor as diferenças entre os dois e a escolher o mais adequado à vida sexual que procura. Seja swinger, cuckold ou cuckinger, mas seja!


Dica ou Sugestão
Se procura uma forma mais leve e subtil de se iniciar no cuckolding comece pelo swing. É menos agressivo, mais gradual e não implica ter que se impor, dominar e humilhar. Como tudo é planeado a dois tem a oportunidade ideal de analisar confortavelmente o seu parceiro, saber o que o excita e o que o motiva. Com o tempo irá ganhar confiança e segurança. Se houver predisposição para o cuckold irá certamente notar alguns sinais evidentes no seu parceiro. Mantenha-se atenta e receptiva, pois ignorar esses sinais é ignorar a tão esperada oportunidade de embarcar no cuckolding e ao mesmo tempo passar a mensagem errada de que não está interessada.

Se é homem, aplicam-se os mesmos princípios. Apalpe terreno, analise, seja paciente e vá introduzindo os elementos associados ao cuckolding gradualmente.

Em baixo seguem mais algumas imagens alusivas ao Swing.
























3 comentários:

  1. Olá!!!
    Gostei muito do blog de vocês!!!
    Estou iniciando no mundo cuckold, conheçam o meu blog... Casada Safada!!!

    redhotsex13.blogspot.com.br

    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Eis uma dica interessante pra convencer a esposa (ou o marido) a entrar nesse meio liberal:

    Antes de mais nada, saibam que sexo antes e fora do namoro/casamento —incluindo relacionamento aberto, poliamor, swing e menage— não é pecado!
    Vejam:
    http://redir.ec/cristaoslibertos
    ou
    http://cristaoslibertos.nm.ru/
    Em inglês para maiores detalhes:
    http://www.libchrist.com/
    http://inkaboutit4u.com/

    ResponderEliminar
  3. Tem um casal de amigo que eu adoraria fazer um bacanal com eles, meu amigo é fortão e a mulher dele uma ruivinha gostosa, tem os peitinhos branquinhos com os bicos vermelhinhos, adoraria foder com ela enquanto meu amigo fodia minha mulher mas os tres não aceitariam são muito caretas.

    ResponderEliminar